NOTÍCIAS

MAIS NOTÍCIAS

Vitória Judicial: Simespi auxilia associadas a reverter MP sobre contribuição previdenciária


Publicado em 14/07/2017

O Departamento Jurídico Tributário do Simespi está auxiliando as empresas associadas da entidade a obterem liminar da Justiça Federal para que possam continuar recolhendo a contribuição previdenciária sobre o faturamento e não sobre folha de salários como determina a Medida Provisória nº 774/17.

 

Em março deste ano, o Governo Federal editou a mencionada MP para acabar com a desoneração da folha de pagamento, a partir deste mês de julho, em mais de 50 setores da economia. O recolhimento da contribuição previdenciária patronal passaria a ser feito sobre a folha de pagamento e não mais sobre a receita bruta mesmo para quem optou pela forma diferenciada no início do ano. “Com isso, as empresas enquadradas nos seguimentos que antes podiam fazer a opção de recolher a contribuição entre 2,5% a 4,5% sobre a receita bruta, voltariam a recolher 20% sobre a folha de pagamento”, explica José Ademir Crivelari, assessor jurídico do Simespi.

 

Segundo o advogado, algumas entidades já tentaram obter essa liminar no âmbito coletivo e não conseguiram. “Estamos ajuizando processos de forma individualizada para cada empresa, sendo que dessa forma já tivemos uma decisão favorável e aguardamos o mesmo resultado para as demais ações que estão em trâmite”, afirma. “Nosso argumento funda-se principalmente no fato de que se a opção da empresa é irretratável até o final do ano, como prevê a lei que instituiu a desoneração, essa condição também deveria ser respeitada pelo fisco. A mudança na forma de contribuição, a essa altura, violaria o princípio da segurança jurídica, ao passo que muitas empresas que optaram pela forma da contribuição sobre a receita bruta seriam prejudicadas”, explica Crivelari.

 

Para reforçar a questão, a Comissão Mista da Câmara dos Deputados, que estuda a matéria, aprovou nessa semana o afastamento dos efeitos da referida MP, adiando para janeiro de 2018 sua eficácia. De acordo com Crivelari, a questão ainda será objeto de votação da Câmara dos Deputados. “Caso a decisão da Comissão não seja aprovada, as empresas poderão socorrer-se da decisão do Poder Judiciário para manutenção da desoneração tributária”, afirma.

 

Segundo o presidente do Simespi, Roberto Chamma, a medida do governo representa um prejuízo para algumas associadas por conta do substancial aumento da carga previdenciária, não tendo alternativa senão buscar a solução na Justiça. “Por intermédio de seus departamentos jurídicos, o Simespi procura estar sempre atento na defesa dos direitos do setor industrial de sua base. Felizmente, mais uma vez obtivemos sucesso nessa empreitada”, conclui.

 

 

 

Assessoria de Imprensa Simespi

Equipe Engenho da Notícia

Simespi  (19) 3417-8600

Ana Carolina Miotto (9.9649-3339 / comunica@simespi.com.br)

Luciane Anhão (9.9789-5418 / luciane@engenhodanoticia.com.br)

Marcelo Basso (9.9747-5586 / marcelo@engenhodanoticia.com.br)